28 abril 2006

II Brasil Scrapbooking Show - páginas das aulas na Vidrada

Estas são as páginas das aulas no II Brasil Scrapbooking Show dadas no stand da Vidrada em Arte.



Tema: Casamento

Quando a Fátima (da Vidrada) me ligou falando que eu teria 2 aulas no sábado, último dia da feira, já fiquei matutando sobre o que seriam. É que sempre temos que passar um tema pois assim o aluno se organiza trazendo as fotos específicas. O que nem sempre acontece, pois a pessoa tem que se organizar para tantas coisas na feira e as fotos sempre ficam em 2º plano (BUAAAAAAA). Pensei no tema casamento. Pensei em algo que ainda não tivesse escutado (algum tema) e me veio na cabeça casamento. Acho que também fui influenciada porque a minha amiga Sheila casa mês que vem.

OK OK OK JÁ TENHO O TEMA. Mas o que fazer? Quando a aula é em feira (cerca de 1 hora ou um pouco mais) são muitas as peculiaridades a se levar em conta na hora de compor um projeto. Técnica, tamanho de fotos (fotos fora dos tamanhos convencionais), tema, materiais disponíveis (será que vai ter batedor de ilhós pra todos??) e tempo. UFA tanta coisa pra se levar em consideração!

Minha proposta é uma página com três fotos 10x15 em posição retrato. As três foram fixadas em sequência. O diferencial da página é o coração de fita. Desenhei um coração e escaneei. Defini o espaçamento dos furos e voltei para o computador marcando, no desenho do coração, este espaçamento. Seria o molde da aula. Furei com o batedor de ilhós e passei a fita. Pode-se fazer qualquer desenho. E eu gostei muito do resultado.

Achei que faltava algo na parte inferior da página. Visualmente faltava elementos de alinhamento. Eu presto muita atenção no alinhamento dos elementos da página. Não que isto seja um fator limitador da criatividade, não. Pra mim é uma técnica de composição visual, que posso usar ou não, depende do momento, depende do projeto. Fiz 3 pastinhas: em duas coloquei pequenas fotos de outras cenas do casamento e na última coloquei a data do casamento e a igreja. Montei com fita, ilhós e um fecho de metal uma espécie de "cinto" para as pastinhas. O charme é abrir a fivela para ver o que tem dentro. Fiz duas páginas iguais para esta aula: a 1º com as fotos do casamento da Janmarie e a 2º (a da foto) do casamento dos meus pais. Dá uma olhada no terno do meu pai... (foto de 1976).



Esta foi a 2º proposta para as aulas no stand da Vidrada em Arte. AULA DE JOURNALING. Como assim??? Aula de journaling??? Isto mesmo: AULA DE JOURNALING. Odiado por uns e amado por outros. Mas como fazer?

Diariamente eu acesso o site das Garotas que dizem Ni. Isto mesmo, pode parecer estranho, mas é este mesmo o nome do site. São 3 jornalistas que escrevem, diariamente, textos sobre o cotidiano com muito humor. Um dia, ao abrir a página para ler o texto do dia, me deparo com um texto intitulado "8,18 e 28". A autora descrevia vida nestas três etapas. Contava o que sentia, fazia ou como se relacionava aos 8, aos 18 e hoje, aos 28. Me apaixonei por este texto!. Pensei: este exercício é uma ótima maneira de começar o journaling. Comparando fatos ao longo do tempo. Realmente um exercício muito interessante.

Antes de me deparar com este texto, tinha lido outro (de uma scrapper americana) sobre as razões de se fazer scrap. A minha 1º opção seria propor um texto sobre as razões pelas quais fazemos scrap. Limitei pra seis razões e passei a descrição da aula para a Vidrada. Massssssss, mudei tudo depois que li o texto "8,18 e 28". Agora teria que adaptar. Então propus uma aula onde nos descreveríamos "8, 18, 28, 38, 48 e 58" anos. Ou seja... 6 razões para falar de você mesmo. 6 razões para escrever sobre si e não sobre o marido, filhos, sogra, papagaio ou carteiro. Não que não seja importante, mas analise sua produção e me diga: QUANTAS PÁGINAS VOCÊ SOBRE VOCÊ???

Aposto que poucas. E esta seria minha proposta: journaling sobre você mesmo. Ahhh e as idades que ainda não vivi?? Inventei! Usei a minha imaginação. Pensei em como gostaria de estar aos 38, 48 e 58 por exemplo. Montei uma página simples (mas com elementos que abrem/fecham/giram/fazem piruetas) como eu gosto. Fiz um resumo do texto do site, escrevi sobre a proposta da aula e escrevi as minhas 6 razões como exemplo. Este foi o material que distribui na aula:

“Dez anos são migalhas em termos históricos, mas para o ser humano uma década é tempo pra dedéu.

De repente sou um bebê banguela e careca e que só sabe chorar e mamar; passada uma dezena de primaveras, já sei ler, escrever e, sortuda que só, ganhava uma mesada para comprar x-salada na cantina.

Se hoje sou do jeito que sou, há dez anos eu era bem diferente. E dez anos antes disso, então, era outra pessoa! Não sei como estarei no futuro, com 38 anos, 48 anos, 58 anos... Mas sei como gostaria de estar.

Pense só por quantas mudanças nós não passamos em um período que dá para contar nos dedos das mãos! Estas são as minhas mudanças: o que fui, o que sou e o que eu quero ser.”
Fonte: www.garotasquedizemni.com.br

Então pessoas... Nossa aula é sobre journaling. AI AI AI acho que a etapa mais discutida no scrapbooking. Enquanto uns amam e escrevem textos enoooooormes com muita felicidade, outros simplesmente odeiam. Odeiam mesmo! E ainda proferem: não escrevo, não escrevo, não escrevo e pronto!

Mas a intenção aqui é que vocês escrevam! Isto mesmo! Escrever à mão... como manda o figurino. Word?? Descartado! Só mostrar suas idéias e sua letra. Você vai dizer: minha letra??? mas minha letra é muito feia! E eu digo: não importa! Sua caligrafia é pessoal, é única.

Antes de começarmos, quero que você se lembre das suas páginas. Quem ou o que é o foco principal? Aposto a minha coleção de papéis decorado (ai que medo) que a maioria de vocês faz scrap para os filhos, para o marido, para as amigas, para os familiares, cachorro, gato, papagaio… e nunca para você mesma! Certo?

Escrever sobre si é a oportunidade de se mostrar. De permitir que as pessoas te conheçam. Conheçam seus pontos altos e baixos (até porque ninguém tem só pontos altos na vida e os baixos nos ajudam a crescer!).

A proposta para esta aula é que, a partir de tópicos distintos, construirmos um texto “diferente”. Um texto não! Na verdade seis! Seis textos sobre seis etapas diferentes da nossa vida. Por isto chamo de “6 razões”. São seis razões para escrever sobre você mesma. Escrever sobre épocas diferentes, épocas que há muito já se passaram ou “foi ontem mesmo”. E o que você não souber? Vamos exercitar nossa imaginação… “como eu gostaria de ser ou de estar?”.

Abaixo seguem as minhas histórias pra vocês se inspirarem. Ou chorar… ou rir… quem sabe?


Aos 8
Definitivamente eu gosto de andar de bicicleta (caio mais do que ando). Quem não gostava é minha mãe: sempre estou suja e machucada. HUMMM Profissão? Quero ser rica! E só! Na escola, tenho medo da loira do banheiro. Estou aprendendo a ler, mas só gosto de ler placa de rua.Sou fera em usar papel vegetal para copiar a “cara” dos menudos das capas dos discos. Misturo arroz cru, danoninho e biscoito amassado e obrigo minha irmã caçula a comer. Eu acredito em papai Noel sim viu! Adoooooro globe troters e corrida maluca. Acordo, vou pra escola, almoço, brinco, lição, brinco mais, jantar, brinco mais um pouquinho, banho e cama!!! Amor? Só pela minha coleção de papéis de carta!

Aos 18
Ainda gosto de andar de bicicleta. Mas ando mesmo de tróleibus, ônibus e metrô. Fiz escola técnica, tirei minha carta e queria um carro zero! Sábado é de lei: BALADA! Sou craque em dormir no ônibus lotado. Meu primeiro emprego foi como desenhista. Quero ser arquiteta e presidente de uma multinacional. Esqueci dos menudos e passei a odiar grupos onde as pessoas dançam iguais. Só preparo omelete, mas não obrigo ninguém a comer. Deixei pra lá o Papai Noel. Assisto malhação sim e daí? Acordo, trabalho, escola e cama. Tenho medo da música do plantão da Globo e de morrer. Amor... o Celso. Mas ele nunca de deu bola! Filho da %$#@!

Aos 28
Brinco de correr atrás da minha sobrinha, mas se ela correr demais acerto ela (na cabeça!). Sou arquiteta, mas quero mesmo é ser presidente de multinacional. Vou começar a pós-graduação (adoro estudar mesmo). Eu voltei a acreditar em Papai Noel e decidi pedir um carro zero pra ele este ano. Meu passatempo preferido é dormir. Eu sonho em ganhar na loto. Meu príncipe encantado ainda não veio, mas a esperança é a última que morre. Meu ponto forte na cozinha é saber onde se está o telefone da pizzaria. Tenho medo da economia brasileira. Leio revistas só na manicure e no banheiro. Da TV eu só aproveito os comerciais do polishop. A palavra trânsito foi, forçosamente, incorporada ao meu dia-a-dia. Não me chama de tia viu seu moleque safado não tem medo de levar um croque?

Aos 38
AHAHAHAHAH vocês não acreditavam né... mas eu sou presidente da multinacional! Ta certo... não é verdade! Mas temos uma pequena pizzaria, assim não preciso lembrar do telefone do delivery. Trabalho em casa com minha sócia. Estudar... não paro mesmo! Ontem me formei mandarim. Ai ai Papai Noel, me dá paciência com estas gêmeas: Maria Luiza e Luiza Maria! AHHH sou mãe, esposa e tia... com orgulho! Meu príncipe encantado já tem uns fios de cabelo branco e minha família é uma diversão. Meu hobby ainda é scrap e sou professora de taekwondo para crianças. Leitura? Bula de remédio infantil! Eu queria ser duas: só assim termino a #$@!%&* deste jantar!

Aos 48
Brinco de parecer mais nova. Às vezes dá certo, outras não. Aposto na loteria toda semana... voltei a querer ser rica. Ser rica e só! As gêmeas e o “patrão” cuidam da pizzaria, eu sou professora de arquitetura em faculdade. AHH continuo trabalhando em casa. Pedi pro Papai Noel pra ele terminar de pagar o consórcio do meu carro... será que ele me escuta? Sou fera em levantamento de garfo aos finais de semana, mas durante a semana... é só alface! Meu sonho é que as meninas se formem médicas (eu não tenho nenhum médico na família). De vez em quando vem uns calores estranhos, mas depois passa! Amo de paixão meu leque!

Aos 58

Nunca pensei que fosse gostar de escutar a palavra VÓ! Agora quando escuto isto fico toda feliz, até porque logo em seguida aparecem dois cotocos (gêmeos) que mal param em pé e não tem nenhum controle das funções intestinais. E isto não é lindo? Eu e meu “véio” gostamos muito de viajar. Papai Noel me deu tudo que eu sempre quis você sabia? Eu sei disto agora, mas na hora não sabia. Aprendi a gostar de cozinhar, pois meu genro “chef” me ensinou umas coisas. Eu acredito em tudo que fiz e no que eu ainda vou fazer. Pinto o cabelo com cores engraçadas! AHH até agora não deu certo o negócio de ser rica, mas vou continuar tentando. O consórcio foi todo pago! Sem nenhuma prestação em atraso!

Fiquei muito feliz com o resultado do meu journaling. Escrevi à mão na página e garimpei fotos minhas antigas 3x4. O que você acha de fazer o mesmo???

Um comentário:

Lu Minoti disse...

Pati,
adorei o journaling!E não preciso comentar mais nada, né?