06 março 2006

Um blog pra mim

Decidi fazer um blog hoje (dia 06 de março de 2006). E com este blog quero registrar não só o que acontece hoje, mas toda a minha tragetória no scrapbooking. CALMA CALMA CALMA não é muita coisa não (rsrsrs). Conheci o scrap no reveillon de 2004 para 2005 em Porto de Galinhas - Pernambuco. Que início glamoroso, não?

Nesta viagem que fiz com mais 5 amigos, cada um levou uma leitura para os momentos de ócio total ou de sol escaldante. Caiu na minha mão uma revista destinada à professores (uma das minhas amigas é professora) e nela havia uma reportagem sobre o scrapbooking, o qualificando como a "sensação do momento". De cara já me interessei pelas imagens da revista que mostrava páginas muito interessantes e coloridas.

De volta à São Paulo e com a ajuda do Google, fui procurar mais informações sobre este assunto. Achei vários cursos, mas todos incompatíveis com a minha situação financeira já que acabava de voltar de uma viagem ao nordeste. Procurando mais um pouco (e se procurar bem, achamos workshops bem em conta), me inscrevi em um workshop da Fine Papers de uma página básica utilizando régua molde. Pessoas, preciso dizer uma coisa: foi paixão à primeira vista, ou ao primeiro corte de estilete ou até ao primeiro contato com aqueles papéis coloridos. Tanto faz!

Passei uma tarde muito agradável, com pessoas que, assim como eu, estavam se divertindo cortando papel. Isto mesmo... cortando papel! Posso lhes dizer que isto realmente me diverte. É como se meu mundo se resumisse à área da minha prancheta e eu realmente fico feliz com aquilo.

O contato com papel sempre foi muito prazeroso pra mim. Sempre gostei muito de desenhar e pintar quando criança e, mais tarde (não vou dizer "depois que cresci" rsrs), na faculdade pude curtir mais este aspecto. Nunca gostei muito de fazer maquetes, sempre preferi pintar, recortar e fazer as apresentações (tanto à mão ou utilizando o computador em softwares gráficos).

O que me chama a atenção no scrapbooking é a maneira como as pessoas se emocionam ao manusear suas recordações. Emocionar não quer dizer somente chorar em público e agradecer exageradamente tal qual recebendo a estatueta do Oscar. A emoção é sentida pela atenção dispensada, pelo ato de guardar zelozamente e por mostrar, a quem quer que seja, o trabalho realizado (seja ele de própria autoria ou um presente).

É isto que eu gosto no scrapbooking. E gosto ainda mais pelo que me proporcionou ao longo deste ano: novas amizades com pessoas totalmente diferentes, novos ares, novas oportunidades e até a oportunidade de ensinar. Até melhor que a palavra ensinar seria a palavra compartilhar. Não creio que ensino scrap... acho sim que compartilho scrap. E acho até que eu aprendo mais assim. Aprendo a "ver" as pessoas e o scrap até se torna secundário.

Engraçado isto né?

ps.: Aos poucos vou colocando todos os meus trabalhos de scrap aqui. E vão ser postados com datas retroativas, assim posso verificar as evoluções do meu trabalho. :)`

Um comentário:

Paola Scott disse...

Pati, adorei o que vc escreveu!
É isso aí. Ninguém ensina scrap. A gente compartilha!
Li seu blog inteirnho e fiquei mais sua fã ainda!!!
Bjs
Paola